Compressão dos Nervos Periféricos

por | 21/05/2020 | Compressão dos nervos periféricos, Nervos Periféricos

Como o leitor não deve ter lido o artigo sobre lesões dos nervos periféricos, vou começar da mesma forma:

O que são os nervos? Nervos são estruturas que levam informações do sistema nervoso central (cérebro e medula) para os músculos e glândulas, e levam informações da pele, pelos e unhas para o sistema nervoso central.

Há diversas informações que podem ser levadas da periferia para o sistema nervoso central: dor, tato, calor e frio, vibração e sensação de localização do membro no espaço, propriocepção.

Devido ao tônus muscular, informações são enviadas para a musculatura,  mesmo durante o sono. Algumas fibras estão ativadas/contraídas, enquanto a maioria está relaxada. Já com a vontade de se fazer força com um músculo, a maioria das unidades contráteis são ativadas, enquanto algumas outras estão relaxadas.

Pode-se, também, enviar informações via sistema nervoso autonômico para que as glândulas sudoríparas ou sebáceas contraiam. Mas, essas informações reagem ao tempo ou emoções e são controladas pelo sistema nervo autônomo ou antonômico.

Os nervos podem ser machucados por diversos mecanismos: tração, compressão ou cortes.

Essas lesões foram classificadas por Seddon em:

1 Neurapraxia: quando não há lesão anatômica do nervo, mas sua função está temporariamente ausente. Pode levar de 3-4 meses. Não se consegue avaliar a função do nervo e sua recuperação pleo sinal de Tinel.

2 Axoniotmese (dividida em 3 tipos por Sudderland): quando há lesão parcial do nervo: axônio, endoneuro e perineuro. Acontecem, geralmente, por compressão ou tração. O Sinel de Tinel pode ser usado para acompanhar a evolução da regeneração.

3 Neurotmese: quando todo o nervo está lesado. Essa lesão precisa de reparo. 

As compressões nervosas devem são neurapraxias, na maioria das vezes, e axoniotmeses.

O mecanismo de lesão nervosa pode acontecer por hipóxia (falta de oxigênio) temporária, levando à alteração temporária do funcionamento das bombas iônicas intracelulares. Quando a compressão é liberada ou diminuída, há melhora completa dos sintomas rapidamente.

O outro mecanismo acontece com lesões mais crônicas. Há um aumento do volume do nervo (edema) após a hipóxia segmentar. Com isso, ocorre a proliferação de fibroblastos e  fibrose, que dificultam a melhora dos sintomas de compressão.

As compressões ocorrem em locais pré-determinados. Sabe-se, portanto, os locais mais prováveis de acontecerem. Os sintomas e sinais cooperam para que o médico identifique o nervo comprimido e o local.

Alguns fatores de risco podem estar relacionados: variações anatômicas, trauma, infecção, inflamação, doenças genéticas, alterações hormonais ou metabólicas (como o diabetes mellitus e hipotireoidismo), intoxicação, atividade física/ hipertrofia muscular, alcoolismo e tabagismo.

A avaliação clínica deve contar com história minuciosa, exame físico observando os locais de compressão, sensibilidade e força motora. Algumas manobras especiais são utilizadas para todas as compressões, como o Sinal de Tinel e outras são específicas para cada compressão.

Exames complementares podem ser necessários. Radiografias, procurando alguma anomalia. Ultrassonografias mostram os locais onde possa haver algum “aperto”, inclusive com a possibilidade de exame dinâmico, observando o movimento e contração muscular. A ressonância magnética pode ser uma excelente aliada na identificação de alguns sítios de compressão, como na síndrome do desfiladeiro torácico.  A eletroneuromiografia é o melhor exame para se avaliar a função nervosa. Entretanto, é um exame desconfortável e deve ser solicitado quando for imprescindível. O médico que realiza esse exame é muito importante e deve estar em consonância com o que o solicita.

De todas as síndromes compressivas, a Síndrome do túnel do carpo é a mais comum!

Acontece na região do punho, com sintomas de parestesia (formigamento) dos dedos devido à compressão do nervo mediano entre os tendões flexores dos dedos, dentro do canal formado pelos ossos do carpo e ligamento transverso do carpo, na parte palmar.

A segunda compressão mais comum acontece no cotovelo, com o nervo ulnar. O sintoma mais comum é a dormência dos dedos anelar e mínimo, pior quando cotovelo está dobrado. 

Há outras compressões dos nervos mediano e ulnar, além de compressões do nervo radial, axilar, plexo braquial e nos membros inferiores. Teremos a oportunidade de falar sobre cada uma delas em outros textos aqui no site.

Dr. Diego Figueira Falcochio

Ortopedista especialista em mão e microcirurgia

CRM 122.897 TEOT 11.487

Leia também

Fratura-luxação do carpo

Fratura-luxação do carpo

As lesões perilunares podem variar desde lesões ligamentares com luxação dos ossos do carpo, até fraturas luxações, com uma grande variedade de padrões de fraturas e luxações.

Apesar de serem traumas de alta energia, infelizmente, uma quantidade considerável passa desapercebida por cirurgiões e ortopedistas na data do evento.

ler mais
Mão em Fenda ou Ectrodactilia

Mão em Fenda ou Ectrodactilia

A ectrodactilia, mão em pinça de lagosta ou mão fendida são sinônimos utilizados para descrever a deficiência longitudinal que afeta os raios centrais. Atualmente o termo mais aceitável é “deficiência central congênita do raio”. O formato em “V” da fenda é o que caracteriza essa anomalia, que pode ou não vir associada com ausência de um ou mais dedos. O primeiro relato na literatura foi de Ambroise Paré, em 1575, mas as primeiras descrições de mão fendida verdadeira são creditadas a Hartsinck, em 1770.

ler mais
Luxação dos dedos

Luxação dos dedos

Luxação é a lesão mais grave que uma articulação pode sofrer. É a perda completa da congruência articular. Um osso “perde o contato” com o outro. Na literatura inglesa, este tipo de lesão é chamado de “deslocação articular”.

ler mais

Pin It on Pinterest