Lesões tendíneas nas mãos

por | 21/05/2020 | Lesões tendíneas, Traumas

O que é um tendão? Sem esse conhecimento, seria em vão explicar como tratar suas lesões.  Para realizar um movimento, um ou mais músculos movem uma ou mais articulações. Os músculos se inserem nos ossos nas ênteses (por exemplo, a epicondilite lateral ou cotovelo do tenista, é uma entensite). Entre as ênteses e os músculos, estão os tendões. Composto por tecido fibroso, com elasticidade muito pequena, recebe nutrição pelo epitendão e bainha tendínea (capa de líquido sinovial que recobre o tendão e ajuda no seu deslizamento), pelas vasos que vêm pela musculatura, por dentro dos tendões, e pelas vínculas (estruturas que só existem nos dedos).

Quando se rompe um tendão, perdemos a capacidade de realizar o movimento que o nervo comandou e o músculo executou. Para recuperar essa função, precisamos reparar os tendões.

A princípio, parece fácil costurar uma “corda”. Contudo, pelas especificidades de cada tendão em cada localidade, essa pode ser uma tarefa bastante desafiadora para o médico e, principalmente, para o paciente.

Vamos dividir os tendões em extensores e flexores.

Os extensores são os que extendem (ou esticam) os dedos. Se originam no epicôndilo lateral (face externa do cotovelo) e região proximal da ulna. No punho, passam sob o retináculo extensor em 6 compartimentos distintos: 1º abdutor longo e extensor curto do polegar (onde pode acontecer a tenossinivite de De Quervain).; 2º extensor radial longo e curto do carpo; 3º extensor longo do polegar, 4º extensor próprio do dedo indicador e extensor comum dos dedos, 5º extensor próprio do dedo mínimo e 6º extensor ulnar do carpo, sobre a cabeça da ulna.

Lesões cortantes no dorso da mão são bastante comuns, e podemos realizar reparos desde lesões perto da unha, até lesões na transição miotendínea, no antebraço. Exceto do extensor longo do polegar que pode retrair precocemente, os demais extensores podem ser reparados primariamente em até 2-3 semanas.

Os pontos para reparo desses tendões podem ser igual ao dos tendões flexores, quando o tendão tem forma tubular ou pontos em “U”, contínuos quando os tendões parecem fitas. O tempo de imobilização pós-operatória é de 4 semanas, para a maioria das lesões.

O dedo em martelo tendíneo (lesão da tira terminal, ponta do tendão que se insere na falange distal) pode ser tratada com imobilização diminuta, bloqueando apenas a interfalângca distal. Contudo, a imobilização deve ser usada por 6-8 semanas.

Os pacientes que chegam muito tardiamente, ou quando o tratamento conservador falha, podem evoluir com deformidade em pescoço de cisne, estando indicado o tratamento cirúrgico.

A lesão da tira central, onde o tendão extensor se insere na falange média, para extender da interfalângica proximal, pode levar à uma deformidade em botoeira. A imobilização pode bloquear apenas a interfalângica próxima, sendo desejável que a ponta do dedo realize flexão e extensão.

Os tendões flexores são um desafio à parte. As lesões nos túneis osteofibrosos (dentro do túnel do carpo e dentro do dedo) são especiais. A região entre a cabeça do metacarpiano e a falange média (inserção do flexor superficial) é conhecida como zona de ninguém de Bunnel. Durante algumas décadas se preferiu realizar enxertos do que reparos tendíneos nessa região, tamanho é o desafio em se obter bons resultados no pós-operatório.

Vamos abordar alguns tópicos em separado:

Deve-se reparar os tendões flexores superficiais e profundos sempre que possível. Contudo, nos túneis osteofibrosos, se a lesão estiver no mesmo nível, pode-se optar pelo reparo apenas do flexor profundo para se diminuir o risco de aderências.

Os pontos utilizados devem ser: centrais (core suture) conhecido como passagens, associado ou não a pontos epitendíenos. O número de passagens deve ser de 4-6.

O material para os pontos, idealmente, é forte e bastante maleável. Quanto mais espesso, maior o risco de atrapalhar o deslizamento do tendão. Quanto mais fino, maior o risco de ruptura. Pode-se usar: nylon, prolene, fiberwire, dentre outros. Para adultos: 3.0 ou 4.0. Epitendíneos: 6.0.

Durante muito tempo, estivemos preocupados em fechar o túnel osteofibroso do dedo e as polias A2 e A4 eram intocáveis. Trabalhos mais recentes, principalmente de 2017 para cá, advogam a abertura e manutenção dessa “janela” nas polias para que o reparo corra sem “se prender” no túnel.

Anestesia: o ideal é testarmos no intra-operatório se o tendão está deslizando sem obstáculos e se os pontos não afrouxam quando se realiza a contração ativa. Para tanto, o ideal é fazermos a cirurgia com anestesia local e o paciente acordado, ou com teste de despertar intra-operatório.

Talvez o ponto mais importante desses pequenos assuntos separados seja a reabilitação. Sem um protocolo de de mobilidade ativa precoce, a chance de aderências e resultado final insatisfatório são muito altas. O uso de órtese é preconizado por 4 semanas e o seu tamanho e opções de retirada para atividades variam de acordo com os protocolos.

Perdas de segmento tendínos, atraso no reparo ou complicações do reparo primário podem levar à necessidade de enxertos de tendão ou transferências tendíneas.

Portanto, atenção: se após um corte, ou até mesmo um trauma sem lesão de pele, houver perda de qualquer movimento ativo dos dedos ou punhos, procure um cirurgião da mão o quanto antes para realizar avaliação e provável reparo da lesão.

 

 

 

 

Dr. Diego Figueira Falcochio

Ortopedista especialista em mão e microcirurgia

CRM 122.897 TEOT 11.487

Leia também

Fratura-luxação do carpo

Fratura-luxação do carpo

As lesões perilunares podem variar desde lesões ligamentares com luxação dos ossos do carpo, até fraturas luxações, com uma grande variedade de padrões de fraturas e luxações.

Apesar de serem traumas de alta energia, infelizmente, uma quantidade considerável passa desapercebida por cirurgiões e ortopedistas na data do evento.

ler mais
Mão em Fenda ou Ectrodactilia

Mão em Fenda ou Ectrodactilia

A ectrodactilia, mão em pinça de lagosta ou mão fendida são sinônimos utilizados para descrever a deficiência longitudinal que afeta os raios centrais. Atualmente o termo mais aceitável é “deficiência central congênita do raio”. O formato em “V” da fenda é o que caracteriza essa anomalia, que pode ou não vir associada com ausência de um ou mais dedos. O primeiro relato na literatura foi de Ambroise Paré, em 1575, mas as primeiras descrições de mão fendida verdadeira são creditadas a Hartsinck, em 1770.

ler mais
Luxação dos dedos

Luxação dos dedos

Luxação é a lesão mais grave que uma articulação pode sofrer. É a perda completa da congruência articular. Um osso “perde o contato” com o outro. Na literatura inglesa, este tipo de lesão é chamado de “deslocação articular”.

ler mais

Pin It on Pinterest