Síndrome do túnel do carpo

por | 28/05/2020 | Lesões de nervos periféricos, Nervos Periféricos

Introdução

As síndromes compressivas (há um artigo publicado no site sobre esse tema) acontecem em locais pré-determinados, com a disfunção de um nervo em decorrência de alterações da sua irrigação. Em outras palavras, falta oxigênio para o nervo.

Na síndrome do túnel do carpo, o nervo comprimido é o mediano. Ele fica “preso” entre os tendões flexores superficiais e profundos dos dedos e o flexor longo do polegar na região compreendida no dorso da mão pelos ossos do carpo e na região palmar (volar/ ventral) pelo ligamento transverso do carpo, também conhecido pelo seu nome antigo: retináculo dos flexores.

O sintoma mais comum é dormência dos dedos. Acontece no polegar, indicador, médio e metade radial do dedo anelar, na região volar. O paciente pode sentir como formigamento, dormência, queimação e dor.

Principalmente, nas fases iniciais, os sintomas acontecem durante a madrugada e é comum que o paciente acorde pela manhã com as mãos formigando.

A palma da mão, geralmente, não apresenta sintomas. Contudo, o quadro pode ser tão incômodo que parece ao paciente que os sintomas sobre para os antebraços, cotovelos e braços.

Alguns pacientes têm maior chance de desenvolver a síndrome: portadores de diabete, hipotireoidismo, obesidade, insuficiência renal, doenças infamatórias (como artrite reumatóide), doenças de acúmulo (como gota, amiloidose, sarcoidose) e alterações hormonais (gravidez e menopausa).

Diagnóstico

O diagnóstico é realizado pela história clínica e exame físico.

Durante o exame, se realizam testes que comprimem o nervo, ou fazem digitopercussão, levando à mimetização dos sintomas. Os mais comuns são: Tinel, Phalen, Phalen invertido e Durkan.

Deve-se procurar por sinais de gravidade: diminuição da sudorese e digitais dos dedos envolvidos (por perda da inervação autonômica) e hipotrofia/ atrofia da musculatura tenar -aquela musculatura que fica na base do polegar.

O diagrama de Katz consiste em se pedir para o paciente desenhar as mãos e marcar onde sente os sintomas, caso lhe pareça que a mão é sintomática.

Exames complementares podem ser solicitados. Os principais são:

1-Ultrassonografia: ganhou muita popularidade ultimamente, por ser bastante fidedigna. Nervos espessados têm uma correlação estreita com o diagnóstico da doença.

2-Eletroneuromiografia: apesar de considerada por boa parte dos médicos e artigos científicos como padrão ouro, tem um “valor preditivo positivo” relativamente baixo. Isso quer dizer que: diversos pacientes que têm o teste positivo, na verdade, podem não ser portadores da síndrome do túnel do carpo. Esse exame ajuda bastante no diagnóstico diferencial e em se identificar o real local de compressão, quando o paciente possui testes positivos para mais de uma síndrome compressiva, de um mesmo nervo. Algumas operadoras ainda o solicitam para aprovar os procedimentos cirúrgicos.

Tratamento

Com o diagnóstico em mãos, devemos nos preocupar com o tratamento.

Para a maioria dos pacientes devemos fazer o tratamento não operatório, com uso noturno de órtese antebráquio-palmar, terapia da mão/ fisioterapia motora e/ou alongamentos, uso de um anti-inflamatório de longa duração (o meu preferido é a betametasona injetável de depósito). Pode-se realizar a infiltração com corticoide e anestésico local como prova diagnóstica e como tratamento.

É comum que os sintomas recidivem após alguns meses ou anos, podendo-se repetir o tratamento incruento.

Iniciar o tratamento com mais de 3 meses de sintomas, recidivas constantes e alguns dos fatores de risco, diminuem a chance de sucesso sem a realização de cirurgia.

Para pacientes que possuem sinais de gravidade: diminuição da sudorese e digitais dos dedos envolvidos (por perda da inervação autonômica) e hipotrofia/ atrofia da musculatura tenar -aquela que fica na base do polegar, o tratamento cirúrgico está indicado.

Há diversas técnicas disponíveis para essa cirurgia.

As técnicas abertas evoluíram muito nos últimos anos. Hoje, realizam-se incisões pequenas e o objetivo do tratamento é “abrir” o ligamento transverso do carpo.

Para raros pacientes ainda está indicada a sinovectomia extensa dos tendões flexores, o que piora, bastante, o pós-operatório.

As técnicas endoscópicas promovem incisões ainda menores e têm a vantagem de não incisar os tecidos acima do ligamento transverso na via. A maioria dos trabalhos concorda que os pacientes têm menos dor no pós-operatório de curto e médio prazo e retorna mais precocemente para suas atividades de vida diária e laborais.

A reabilitação para atividades simples do dia-a-dia costuma ser bastante rápida. Todavia, a recuperação completa, para destreza e força, pode levar de 3-6 meses.

A principal complicação do tratamento cirúrgico é a não melhora dos sintomas. Isso pode acontecer por diversos motivos:

Diagnóstico inacurado ou incompleto: o paciente também possui uma hérnia cervical, neuropatia diabética ou alcoólica, a compressão era no cotovelo e não no punho…

Liberação incompleta do ligamento transverso do carpo.

Lesão do nervo mediano no procedimento (extremamente raro).

Quando a cirurgia é protelada por muito tempo e o paciente perde a capacidade de oposição/ oponência entre o polegar e os demais dedos, pode-se planejar alguma transferência tendínea para se recuperar essa função.

Em suma: a síndrome do túnel do carpo é bastante comum. Seu diagnóstico e tratamento devem ser instituídos o quanto antes para se evitar a cirurgia. Caso necessário, o procedimento cirúrgico tem chance enorme de restaurar toda a função, da mão, necessitando, contudo, de um período de reabilitação.

Dr. Diego Figueira Falcochio

Ortopedista especialista em mão e microcirurgia

CRM 122.897 TEOT 11.487

Leia também

Fratura-luxação do carpo

Fratura-luxação do carpo

As lesões perilunares podem variar desde lesões ligamentares com luxação dos ossos do carpo, até fraturas luxações, com uma grande variedade de padrões de fraturas e luxações.

Apesar de serem traumas de alta energia, infelizmente, uma quantidade considerável passa desapercebida por cirurgiões e ortopedistas na data do evento.

ler mais
Mão em Fenda ou Ectrodactilia

Mão em Fenda ou Ectrodactilia

A ectrodactilia, mão em pinça de lagosta ou mão fendida são sinônimos utilizados para descrever a deficiência longitudinal que afeta os raios centrais. Atualmente o termo mais aceitável é “deficiência central congênita do raio”. O formato em “V” da fenda é o que caracteriza essa anomalia, que pode ou não vir associada com ausência de um ou mais dedos. O primeiro relato na literatura foi de Ambroise Paré, em 1575, mas as primeiras descrições de mão fendida verdadeira são creditadas a Hartsinck, em 1770.

ler mais
Luxação dos dedos

Luxação dos dedos

Luxação é a lesão mais grave que uma articulação pode sofrer. É a perda completa da congruência articular. Um osso “perde o contato” com o outro. Na literatura inglesa, este tipo de lesão é chamado de “deslocação articular”.

ler mais

Pin It on Pinterest