Moléstia de Dupuytren

por | 06/08/2020 | Outras doenças

O paciente que se apresenta com nódulos na palma da mão, que confluem em cordas e perdem a capacidade de extender (esticar) os dedos podem ter a Doença de Dupuytren.

 

Moléstia de DupuytrenA Moléstia de Dupuytren é uma alteração fibroproliferativa da fáscia palmar. O tecido normal é transformado em tecido colágeno, que progride de nódulos para cordas e posterior flexão dos dedos.

A causa mais comum é a idiopática (criptogênica ou primária: significa que a medicina não conhece a causa).

Muitas vezes, o paciente procura o médico apenas com nódulos isolados na palma da mão, sem formação das cordas.

O fator genético é bastante importante, sendo mais comum em homens (10:1 em relação às mulheres) caucasianos, descentes de escandinavos ou do mediterrâneo. Em 45% dos pacientes, é bilateral, comumente assimétrico.

Etilismo crônico, tabagismo, epilepsia em uso de barbitúricos (o Gardenal é o mais comum deles) e diabete melito podem ser fatores de risco para esta afecção.

Os dedos mais acometidos são o anelar e mínimo, seguidos pelo polegar. O acometimento dos dedos médio e indicador é incomum.

O equivalente da Moléstia de Dupuytren nos pés é chamada Doença de Ledderhose (acomete 5% dos pacientes com Dupuytren) e no pênis ou vulva é a Doença de Peyronie (3%).

Nódulos no dorso das interfalângicas (nos “nós dos dedos”) são chamados de Garrod, e indicam gravidade para doença progressiva e recidivante.

A doença tem 3 estágios, descritos por Luck:

1 – Proliferativo (nódulos em locais típicos)
2 – Involutivo (cordas e déficit de extensão)
3 – Residual (redução do volume dos nódulos, “contração” acentuada, pode ser até acelular).

Moléstia de DupuytrenAnatomicamente, a corda espiral, responsável pela deformidade, é formada pela banda pré-tendínea, banda espiral, lâmina digital lateral e ligamento de Graysson. Conhecer esta anatomia é essencial para se realizar o tratamento cirúrgico com menor risco de lesão nervosa e vascular do dedo.

Infelizmente, não há evidência na literatura médica de que se consiga evitar a progressão da doença com nenhum tipo de medicamento, tratamento local ou de reabilitação.

Quando se deve operar?

Quando a mão não apoia mais com os dedos esticados na mesa (não “espalma” a mão), flexão de 30 graus da metacarpofalângica ou qualquer flexão da interfalânfica proximal (articulação do meio do dedo). Operar nas fases iniciais da doença aumenta a chance de recidiva e de maus resultados.

E como pode ser esta cirurgia?

No Brasil não está disponível a colagenase clostridial que pode ser injetada nas cordas para sua “dissolução” e correção da flexão dos dedos.

Pode-se realizar a cirurgia percutânea com anestesia local. Esta opção é bastante interessante. Tem uma limitação: a flexão da interfalângica proximal. E tem um contratempo: a chance de recidiva em 2 anos é maior do que na cirurgia aberta.

A cirurgia aberta para a Moléstia de Dupuytren pode ser feita com diversas técnicas, inclusive com fechamento da ferida ou manutenção da pele “aberta”, aguardando a cicatrização por segunda intenção ou enxerto de pele. Cada paciente deve ser avaliado individualmente para se decidir o melhor procedimento cirúrgico.

O prognóstico é pior em pacientes com doença agressiva e progressão rápida da contratura, pacientes diabéticos em uso de insulina, com o maior consumo de álcool, hereditariedade e localização e extensão de acometimento da moléstia.

Dr. Diego Figueira Falcochio

Ortopedista especialista em mão e microcirurgia

CRM 122.897 TEOT 11.487

Leia também

Fratura-luxação do carpo

Fratura-luxação do carpo

As lesões perilunares podem variar desde lesões ligamentares com luxação dos ossos do carpo, até fraturas luxações, com uma grande variedade de padrões de fraturas e luxações.

Apesar de serem traumas de alta energia, infelizmente, uma quantidade considerável passa desapercebida por cirurgiões e ortopedistas na data do evento.

ler mais
Mão em Fenda ou Ectrodactilia

Mão em Fenda ou Ectrodactilia

A ectrodactilia, mão em pinça de lagosta ou mão fendida são sinônimos utilizados para descrever a deficiência longitudinal que afeta os raios centrais. Atualmente o termo mais aceitável é “deficiência central congênita do raio”. O formato em “V” da fenda é o que caracteriza essa anomalia, que pode ou não vir associada com ausência de um ou mais dedos. O primeiro relato na literatura foi de Ambroise Paré, em 1575, mas as primeiras descrições de mão fendida verdadeira são creditadas a Hartsinck, em 1770.

ler mais
Luxação dos dedos

Luxação dos dedos

Luxação é a lesão mais grave que uma articulação pode sofrer. É a perda completa da congruência articular. Um osso “perde o contato” com o outro. Na literatura inglesa, este tipo de lesão é chamado de “deslocação articular”.

ler mais

Pin It on Pinterest