Lesão de Stener

por | 20/08/2020 | Lesões ligamentares, Traumas

A lesão do ligamento colateral ulnar da metacarpofalângica do polegar, com interposição da aponeurose do adutor do polegar é conhecida como lesão de Stener (figura 1).

.

Lesão de stener 1

Figura 1 – Lesão de Stener

Uma vez que sem este ligamento o paciente perde a estabilidade e força para “pinça” com o polegar, esta é uma lesão muito importante para o cirurgião da mão. 

Mas, por que a maioria das lesões ligamentares dos dedos cicatriza após algum de imobilização e esta precisa de cirurgia? 

Justamente porque a interposição da aponeurose do adutor do polegar entre a falange proximal do polegar e o ligamento colateral ulnar previne a cicatrização do ligamento sobre o osso, pela falta de contato entre eles (Figura 1).

O trauma acontece com uma queda com a mão espalmada (aberta) com grande abertura (abdução) do polegar. Apesar de vivermos em um país tropical, é raro que eu não opere ao menos um paciente por lesão após queda de snowboard ou ski durante as férias de janeiro e julho (inverno no hemisfério norte e sul). Esportes com contato intenso (como lutas marciais), com tacos e raquetes têm maior risco.

O paciente apresenta instabilidade da articulação metacarpofalângica, com abertura medial no teste de “stress”.  Alguns pacientes conseguem disfarçar esta instabilidade com auxílio da musculatura. Portanto, deve-se estar atento à possibilidade de exame “falso negativo” no consultório em pacientes fortes ou com dor intensa. Um bloqueio com anestésico local pode ajudar bastante nestes casos.

Figura 2 - Lesão de Stener

Figura 2 – Lesão de Stener

O exame padrão ouro para o diagnóstico destas lesões é a Ressonância Magnética. Ela irá demonstrar a interposição da aponeurose do adutor do polegar entre o ligamento e a área onde ele deveria estar no osso (Figura 2).

O tratamento deve ser realizado o quanto antes. A cirurgia consiste em reinserir o ligamento em seu local de inserção. 

Para tanto, necessita-se abrir a aponeurose do adutor do polegar, identificar o local de onde o ligamento foi avulsionado, cruentizá-lo e reinserir o ligamento (com uma âncora* ou pontos transósseos). Após a reinserção do ligamento colateral ulnar, fecha-se a aponeurose do adutor.

No pós-operatório, o paciente permanece imobilizado por 06 semanas, sendo que nas primeiras 3 o rigor no uso da imobilização é maior. Após este mês e meio, o paciente está liberado para retorno às atividades físicas. Casos especiais devem ser avaliados individualmente para retorno mais precoce a algumas atividades. 

Caso a lesão não seja diagnosticada precocemente e o ligamento não seja mais viável, poderemos abrir mão de procedimentos de reconstrução com enxerto de tendão.

Se o tempo decorrido for longo o suficiente para haver artrose (desgaste articular) está indicada a artrodese da articulação metacapofalângica.

Em algumas profissões ou hobbies pode acontecer lesões crônicas deste ligamento. 

Também pode acontecer uma fratura-avulsão por tração deste ligamento. Nestes casos, quando há afastamento maior do que 2 mm dos fragmentos ou o fragmento avulsionado é maior do que ¼ da articulação, está indicada a cirurgia. 

O resultado final costuma ser muito bom, contudo, há possibilidade de rerruputura, principalmente nos casos em que a reabilitação não foi bem executada ou que não se respeitou o prazo de cicatrização do ligamento.

Durante a consulta, posso mostrar um vídeo de como se faz o tratamento cirúrgico e fotos de casos reais demonstrando o ligamento afastado do osso pela interposição da aponeurose, caso seja desejo do paciente.

*âncora é o nome de um dispositivo que funciona como um parafuso que entra dento do osso e na sua extremidade externa tem fios de sutura forte para aproximar estruturas como os ligamentos (ou tendões) e os ossos.

Dr. Diego Figueira Falcochio

Ortopedista especialista em mão e microcirurgia

CRM 122.897 TEOT 11.487

Leia também

Fratura-luxação do carpo

Fratura-luxação do carpo

As lesões perilunares podem variar desde lesões ligamentares com luxação dos ossos do carpo, até fraturas luxações, com uma grande variedade de padrões de fraturas e luxações.

Apesar de serem traumas de alta energia, infelizmente, uma quantidade considerável passa desapercebida por cirurgiões e ortopedistas na data do evento.

ler mais
Mão em Fenda ou Ectrodactilia

Mão em Fenda ou Ectrodactilia

A ectrodactilia, mão em pinça de lagosta ou mão fendida são sinônimos utilizados para descrever a deficiência longitudinal que afeta os raios centrais. Atualmente o termo mais aceitável é “deficiência central congênita do raio”. O formato em “V” da fenda é o que caracteriza essa anomalia, que pode ou não vir associada com ausência de um ou mais dedos. O primeiro relato na literatura foi de Ambroise Paré, em 1575, mas as primeiras descrições de mão fendida verdadeira são creditadas a Hartsinck, em 1770.

ler mais
Luxação dos dedos

Luxação dos dedos

Luxação é a lesão mais grave que uma articulação pode sofrer. É a perda completa da congruência articular. Um osso “perde o contato” com o outro. Na literatura inglesa, este tipo de lesão é chamado de “deslocação articular”.

ler mais

Pin It on Pinterest