Polegar em gatilho congênito

por | 17/09/2020 | Deformidades Congênitas

O polegar em gatilho congênito é a principal hipótese diagnóstica quando nos deparamos com um polegar travado em flexão.  Apesar do nome, este dedo raramente “trava e destrava”.

Polegar em gatilho congênitoOs diagnósticos diferenciais devem incluir: polegar empalmado, ausência ou hipoplasia dos extensores, artrogripose e espasticidade.

Ao examinar o paciente, além do déficit de extensão da interfalângica do polegar (articulação entre as duas falanges), poderemos palpar o “nódulo de Notta” na região palmar da metacarpofalângica (base do dedo).

O nódulo, na verdade, é uma proliferação sinovial dentro do tendão e não uma tumoração verdadeira. Não há alteração na polia (como acontece nos dedos em gatilho dos adultos).

Apesar do nome “congênito” significar que o paciente nasce com a deformidade, é raríssimo que o paciente nasça com o dedo travado em flexão. Em duas grandes séries de casos, prospectivas, com quase 8.500 pacientes examinados nos berçários, nenhum polegar em gatilho congênito foi observado. Portanto, a evidência da literatura médica favorece que a deformidade seja adquirida e não congênita.

Acontece bilateralmente em 25-33% dos pacientes e já foi relatada em gêmeos idênticos (levando-nos a suspeitar que alterações genéticas possam estar relacionadas).

Tratamento:

Ainda que, de tempos em tempos, surjam relatos de resolução espontânea do polegar em gatilho congênito, há consenso na maioria dos trabalhos científicos de que a chance de cura sem tratamento cirúrgico é pequena.

A preocupação é de que, sem o tratamento adequado, o paciente desenvolva uma contratura fixa em flexão da interfalângica e uma hiperextensão da metacarpofalângica.

Não há como se realizar tratamento cirúrgico em crianças sem anestesia geral. Portanto, programa-se uma internação eletiva, com jejum de 8 horas e anestesia geral associada à infiltração local.

A incisão é bastante discreta e utilizamos pontos que não necessitem ser retirados no consultório. O “nódulo” de Notta não deve ser abordado.

Conquanto pareça uma cirurgia simples, há risco de lesão dos nervos digitais, principalmente o nervo digital radial na região proximal da polia P1. Exatamente por isso, o procedimento deve ser realizado por cirurgião da mão experiente em deformidades congêntitas.

O resultado funcional costuma ser excelente e há pouca chance de qualquer tipo de complicações. A parte estética, também, fica bastante satisfatória.

Outros dedos em gatilho:

Muito raramente, outros dedos podem travar.

A chance de resolução espontânea é mínima. Entretanto, diferentemente do polegar em gatilho, a abertura da polia A1 não pode não resolver o problema e devemos fazer via ampla para examinar o dedo e retirar substâncias ou diminuir os volumes dos tendões.

Dr. Diego Figueira Falcochio

Ortopedista especialista em mão e microcirurgia

CRM 122.897 TEOT 11.487

Leia também

Fratura-luxação do carpo

Fratura-luxação do carpo

As lesões perilunares podem variar desde lesões ligamentares com luxação dos ossos do carpo, até fraturas luxações, com uma grande variedade de padrões de fraturas e luxações.

Apesar de serem traumas de alta energia, infelizmente, uma quantidade considerável passa desapercebida por cirurgiões e ortopedistas na data do evento.

ler mais
Mão em Fenda ou Ectrodactilia

Mão em Fenda ou Ectrodactilia

A ectrodactilia, mão em pinça de lagosta ou mão fendida são sinônimos utilizados para descrever a deficiência longitudinal que afeta os raios centrais. Atualmente o termo mais aceitável é “deficiência central congênita do raio”. O formato em “V” da fenda é o que caracteriza essa anomalia, que pode ou não vir associada com ausência de um ou mais dedos. O primeiro relato na literatura foi de Ambroise Paré, em 1575, mas as primeiras descrições de mão fendida verdadeira são creditadas a Hartsinck, em 1770.

ler mais
Luxação dos dedos

Luxação dos dedos

Luxação é a lesão mais grave que uma articulação pode sofrer. É a perda completa da congruência articular. Um osso “perde o contato” com o outro. Na literatura inglesa, este tipo de lesão é chamado de “deslocação articular”.

ler mais

Pin It on Pinterest