Fratura das falanges (dos dedos)

por | 23/10/2020 | Fraturas, Mão, Traumas

As fraturas dos metacarpianos e falanges são as mais comuns dos membros superiores.
É atribuída uma frase ao Prof. Alfred Swanson, sueco radicado nos Estados Unidos da América, uma frase célebre sobre estas fraturas:

“Fraturas da mão podem ser complicadas por deformidades do não tratamento, rigidez pelo excesso de tratamento e ambos, deformidade e rigidez, por tratamento inadequado.”

Fraturas das falangesA maioria destas fraturas acontece no final da infância e nos adultos jovens até os 40-45 anos.

As falanges são os ossos que ficam sob a pele depois que os dedos se diferenciam e “acaba a palma da mão”.

A maioria das fraturas das falanges é estável e pode ser tratadas de forma não operatória, mesmo que necessite de redução.

Contudo, assim como nas fraturas dos metacarpianos, deve-se optar pelo melhor método de tratamento após se avaliar uma série de fatores: relacionados ao paciente (idade, dominância, profissão, hobby, necessidade de retorno precoce às atividades, capacidade de utilizar imobilização ou seguir orientações pós-operatórias, …), localização e geometria da fratura, deformidade, lesões abertas (fraturas expostas) ou fechadas, lesões associadas (como as de tendão, ligamento e nervo) e estabilidade intrínseca da fratura..

Nas últimas décadas, houve ganho de conhecimento na biomecânica destas fraturas, técnica cirúrgica, qualidade do material de implante e na reabilitação, que nos permitem indicar o tratamento operatório para se atingir melhores resultados.

Não devemos nos esquecer, todavia, que há algumas complicações a serem levadas em consideração, tais como: aderências tendíneas, infecções e necessidade de remoção do material de síntese.

Vamos dividir as fraturas em: falange distal, média e proximal.

Fraturas das falangesFalange distal:

A fratura por “esmagamento” da ponta da falange, cientificamente chamda de Tofo ou Tufo, é muito comum e estável. Seu tratamento visa o controle da dor e proteger o leito e matriz ungueal. São estáveis e devem ser imobilizadas apenas para se proteger os tecidos ao redor e diminuir a dor.
As fraturas da diáfise e da base merecem maior preocupação. Contudo, a maioria fica estável após a reinserção da peça ungueal (unha) quando está avulsionada.
As fraturas da borda dorsal da base, chamadas de dedo em martelo ósseo são abordadas em outro artigo neste site: dedo em martelo.
Algumas vezes, o paciente se apresenta com hematoma subungeal (embaixo da unha). É bastante doloroso e está indicada a drenagem do hematoma quando a porcentagem é igual ou maior à 50% da área da unha. Nestes casos, o cuidado com a assepsia é essencial.

Falanges média e proximal:

Fraturas das falangesPelo formato parecido e deformidades similares que sofrem, são abordadas em conjunto.
Os fatores com maior implicação no resultado final são: fraturas intra-articulares, tempo de imobilização, lesão tendinosa concomitante e a consolidação.
As fraturas intra-articulares merecem atenção especial. Mínimo desvio pode ser responsável por resultado desastroso. As classificações de Londres e Hastings abordam estas fraturas.
As fraturas do colo são incomuns em adultos, mas são instáveis e de difícil fixação.
As fraturas diafisárias podem-se apresentar de diversas formas. Devemos ter atenção especial com a rotação nas fratuas oblíquas e em espiral.

O tratamento não operatório deve ser realizado em posição de segurança de “James” ou intrínseco plus (70-70 graus de flexão das metacarpofalângicas e extensão das interfalângicas). Não deve ultrapassar de 3-4 semanas pelo aumento de risco de rigidez pós tratamento. É interessante ressaltar que neste período não há consolidação radiográfica. Se aguardamos a consolidação aparecer na radiografia, a chance de perda de mobilidade é enorme.

O tratamento cirúrgico pode ser realizado de diversas formas.
Quando realizarmos a redução aberta e fixação das fraturas, devemos permitir a mobilidade passiva e ativa o mais precoce possível.

Observar os fatores inerentes aos pacientes e à fratura são essenciais para se obter a satisfação esperada. A reabilitação é de suma importância para recuperar a função dos dedos e da mão. Paciente, médico e terapeuta da mão/ fisioterapeuta devem estar em consonância para se obter os melhores resultados possíveis.

Dr. Diego Figueira Falcochio

Ortopedista especialista em mão e microcirurgia

CRM 122.897 TEOT 11.487

Leia também

Fratura-luxação do carpo

Fratura-luxação do carpo

As lesões perilunares podem variar desde lesões ligamentares com luxação dos ossos do carpo, até fraturas luxações, com uma grande variedade de padrões de fraturas e luxações.

Apesar de serem traumas de alta energia, infelizmente, uma quantidade considerável passa desapercebida por cirurgiões e ortopedistas na data do evento.

ler mais
Mão em Fenda ou Ectrodactilia

Mão em Fenda ou Ectrodactilia

A ectrodactilia, mão em pinça de lagosta ou mão fendida são sinônimos utilizados para descrever a deficiência longitudinal que afeta os raios centrais. Atualmente o termo mais aceitável é “deficiência central congênita do raio”. O formato em “V” da fenda é o que caracteriza essa anomalia, que pode ou não vir associada com ausência de um ou mais dedos. O primeiro relato na literatura foi de Ambroise Paré, em 1575, mas as primeiras descrições de mão fendida verdadeira são creditadas a Hartsinck, em 1770.

ler mais
Luxação dos dedos

Luxação dos dedos

Luxação é a lesão mais grave que uma articulação pode sofrer. É a perda completa da congruência articular. Um osso “perde o contato” com o outro. Na literatura inglesa, este tipo de lesão é chamado de “deslocação articular”.

ler mais

Pin It on Pinterest