Lesões ligamentares dos dedos

por | 05/11/2020 | Lesões ligamentares, Traumas

Lesões ligamentares dos dedos são extremamente comuns.
A maioria dessas lesões são parciais e cicatrizam sem deixas sequelas. Outras, necessitam de tratamento cuidadoso para evitar instabilidade ou perda de movimento dos dedos.

lesão ligamentar dos dedos

Figura 1

Para entender as lesões ligamentares da articulação interfalângica proximal (IFP) é necessário compreender muito bem a sua anatomia.

Temos as estruturas ósseas que se encaixam de maneira hermética e uma “caixa” de ligamentos que impedem que a articulação “saia do lugar”. Na parte palmar da articulação, temos a placa volar ou placa palmar que se insere distalmente na falange média e se origina pelos ligamentos “em rédea” (checkrein) na falange proximal. Lateralmente, temos os ligamentos colaterais próprio e acessório, que impedem o desvio lateral (radial e ulnar) na articulação (figura 1). Deve-se lembrar que na parte do dorso do dedo temos a banda central do aparelho extensor que ajuda na estabilização. 

Para que o dedo sofra uma luxação (isto é: que a articulação saia do lugar, perca a congruência) precisarmos lesar pelo menos “2 lados” dessa “caixa”.

As lesões ligamentares da IFP são as mais comuns da mão. 

Podem variar desde entorses simples, até lesões completas do ligamento, luxação da articulação e fraturas-luxação. 

lesão ligamentar dos dedos

Figura 2

As radiografias são um, excelente método diagnóstico para estas lesões. 

Permitem que observemos a congruência articular, fraturas-avulsões e fraturas por impacção. 

Devem ser realizadas em 3 incidências, pelo menos. Frente, perfil absoluto e oblíquas. Não são incomuns erros diagnósticos por falta de uma das incidências, principalmente a lateral ou perfil. Radiografias de toda a mão são insuficientes.

O especialista deve procurar pelo sinal do “V” que indica a subluxação (figura 2).

Devemos avaliar o paciente clinicamente pela mobilidade ativa dos dedos testes passivos para avaliar a instabilidade:

  • Grau I: dor sem instabilidade.
  • Grau II: dor, instabilidade, contudo, com algum grau de “firmeza” ao final do movimento (endpoint).
  • Grau III: instabilidade grave.

A luxações (perda da congruência da articulação) são traumas gravíssimos que podem determinar deformidades e rigidez dos dedos. Serão abordadas em matéria própria neste site (luxação dos dedos). 

As lesões do ligamento colateral isoladas podem ser tratadas de forma conservadora.

lesão ligamentar dos dedosO dedo deve ficar imobilizado em extensão por 2-3 semanas e após este período solicitamos que o paciente inicie mobilidade de flexão e extensão para se evitar perda de mobilidade. Pode-se proteger de novo trauma látero-lateral com solidarização com o dedo vizinho (buddy tapping).

Quando o paciente se apresenta tardiamente e o tratamento com imobilização não é mais possível, pode-se reinserir o ligamento colateral ou reconstruí-lo. Há diversas técnicas para a reconstrução, contudo, o risco de rigidez é muito maior do que no tratamento na fase aguda.

Após algum tempo, este dedo instável leva à artrose da IFP. Neste caso, devemos optar pela artrodese ou atroplastia, como descrito no artigo para artrose dos dedos, neste site. 

Um fato curioso e que incomoda bastante os pacientes é o grande aumento de volume que acontece na interfalângica proximal e pode durar até 9-12 meses para regredir. Tratamento com drenagem de edema e diminuição da inflamação articular podem diminuir este tempo. 

As lesões ligamentares das metacarpofalângicas (MFs) têm tratamento parecido com as lesões das IFPs e as luxações destas articulações também serão abordadas em artigo específico (luxação dos dedos). 

Dr. Diego Figueira Falcochio

Ortopedista especialista em mão e microcirurgia

CRM 122.897 TEOT 11.487

Leia também

Fratura-luxação do carpo

Fratura-luxação do carpo

As lesões perilunares podem variar desde lesões ligamentares com luxação dos ossos do carpo, até fraturas luxações, com uma grande variedade de padrões de fraturas e luxações.

Apesar de serem traumas de alta energia, infelizmente, uma quantidade considerável passa desapercebida por cirurgiões e ortopedistas na data do evento.

ler mais
Mão em Fenda ou Ectrodactilia

Mão em Fenda ou Ectrodactilia

A ectrodactilia, mão em pinça de lagosta ou mão fendida são sinônimos utilizados para descrever a deficiência longitudinal que afeta os raios centrais. Atualmente o termo mais aceitável é “deficiência central congênita do raio”. O formato em “V” da fenda é o que caracteriza essa anomalia, que pode ou não vir associada com ausência de um ou mais dedos. O primeiro relato na literatura foi de Ambroise Paré, em 1575, mas as primeiras descrições de mão fendida verdadeira são creditadas a Hartsinck, em 1770.

ler mais
Luxação dos dedos

Luxação dos dedos

Luxação é a lesão mais grave que uma articulação pode sofrer. É a perda completa da congruência articular. Um osso “perde o contato” com o outro. Na literatura inglesa, este tipo de lesão é chamado de “deslocação articular”.

ler mais

Pin It on Pinterest