Luxação dos dedos

por | 12/11/2020 | Lesões ligamentares, Traumas

Luxação é a lesão mais grave que uma articulação pode sofrer. É a perda completa da congruência articular. Um osso “perde o contato” com o outro. Na literatura inglesa, este tipo de lesão é chamado de “deslocação articular”.

luxação do dedo - imagem 1Se o leitor está procurando sobre lesões menos graves, quando há dor, aumento de volume local, mas não há perda completa do movimento de um osso sobre o outro, o ideal é ler a matéria deste site sobre lesões ligamentares dos dedos.  

Após trauma no dedo, ocorre uma deformidade grosseira e impotência funcional. A dor costuma ser bastante intensa. 

Devem-se realizar radiografias em pelo menos 3 posições, especificamente do dedo acometido. A radiografia em perfil (ou lateral) é de suma importância para avaliar a presença concomitante de fraturas e se decidir o melhor tratamento a seguir. 

Radiografias de toda a mão são insuficientes.

O especialista deve procurar pelo sinal do “V” que indica a subluxação, em vez de luxação completa (ou grosseira).

A luxação das interfalângicas proximais (IFPs) pode acontecer para dorsal, lateral ou volar (palmar). A posição da falange média determina qual o tipo de luxação. 

As dorsais são dividas em 3 tipos: 

I: com contato entre as superfícies articulares. 

II: sem contato com as superfícies articulares ou em baioneta.

III: fraturas-luxações. 

Se após a redução, o dedo estiver estável (isto é, não estiver com tendência a sair do lugar ou saindo do lugar com o movimento), o paciente deve ser incentivado a mexer o dedo e este deve ser solidarizado com seu vizinho (buddy tapping). Caso ocorra instabilidade, o dedo deve ser imobilizado apenas com uma tala que impeça o final da extensão. 

luxação do dedo - imagem 2A rigidez (perda de movimento) é a complicação mais comum deste tipo de lesão. 

Raramente, ocorre interposição da placa palmar/volar e há necessidade de redução aberta para restaurar a congruência da IFP.

Luxações laterais, tipicamente, têm instabilidade de um dos ligamentos colaterais. Devem ser tratadas com atenção. A quem advogue o tratamento cirúrgico para atletas e pacientes que necessitem retornar precocemente ao trabalho. 

Luxações volares podem ser acompanhadas de componente rotacional. 

Deve-se ter atenção com tira central nestes pacientes. 

Quando há fragmento ósseo na fratura-luxação dorsal, devemos levar em consideração 2 fatores: congruência e estabilidade articular.

Fragmentos maiores do que 40% da superfície articular devem chamar a atenção e há grande chance de necessitarem de flexão da IFP para manter a estabilidade após a redução. 

luxação do dedo - imagem 3As fraturas por impação da base da falange proximal são conhecidas pelo nome de fraturas do pilão. Os desvios articulares devem ser corrigidos, mesmo que se necessite de tratamento cirúrgico. 

Algumas vezes, no tratamento operatório, precisaremos de realizar a colocação de fixadores externos para tração. O método de Suzuki (com elásticos) é bastante divulgado, mas, pela sua pouca praticidade, prefiro o método de Gaul-Rosemberg. 

Em outros casos, necessitaremos realizar artroplastias de interposição com a placa volar e até mesmo retirada de enxerto ósteo-cartilaginoso do hamato (hemi-hamato).

As luxações das interfalângicas distais são bastante incomuns e são raramente irredutíveis. 

As luxações das metacarpofalângicas (MFs), também, são incomuns. Muito cuidado deve ser tomado com as luxações da MF com interposição, principalmente no dedo indicador e mínimo. 

Ao se tentar reduzir quaisquer destas luxações, deve-se lembrar de realizar o bloqueio troncular, para reduzir a dor, e de se evitar puxar” o dedo. Na manobra de redução, deve-se “empurrar” o osso distal. 

Cada articulação, em cada dedo, tem suas particularidades. Portanto, é de suma importância que o médico assistente seja perito na anatomia local e necessidades de cada paciente. 

Dr. Diego Figueira Falcochio

Ortopedista especialista em mão e microcirurgia

CRM 122.897 TEOT 11.487

Leia também

Fratura-luxação do carpo

Fratura-luxação do carpo

As lesões perilunares podem variar desde lesões ligamentares com luxação dos ossos do carpo, até fraturas luxações, com uma grande variedade de padrões de fraturas e luxações.

Apesar de serem traumas de alta energia, infelizmente, uma quantidade considerável passa desapercebida por cirurgiões e ortopedistas na data do evento.

ler mais
Mão em Fenda ou Ectrodactilia

Mão em Fenda ou Ectrodactilia

A ectrodactilia, mão em pinça de lagosta ou mão fendida são sinônimos utilizados para descrever a deficiência longitudinal que afeta os raios centrais. Atualmente o termo mais aceitável é “deficiência central congênita do raio”. O formato em “V” da fenda é o que caracteriza essa anomalia, que pode ou não vir associada com ausência de um ou mais dedos. O primeiro relato na literatura foi de Ambroise Paré, em 1575, mas as primeiras descrições de mão fendida verdadeira são creditadas a Hartsinck, em 1770.

ler mais

Pin It on Pinterest