Fratura-luxação do carpo

por | 26/11/2020 | Fraturas, Traumas

As lesões perilunares podem variar desde lesões ligamentares com luxação dos ossos do carpo, até fraturas luxações, com uma grande variedade de padrões de fraturas e luxações.

Fratura-luxação do carpo - imagem 1

Figura 1

Apesar de serem traumas de alta energia, infelizmente, uma quantidade considerável passa desapercebida por cirurgiões e ortopedistas na data do evento.

O mecanismo de trauma é uma hiperextensão do punho, com desvio ulnar e supinação intercárpica.

As que acontecem sem fraturas, são chamadas de lesões do pequeno arco, enquanto as que acometem os ossos ao seu redor são chamadas lesões do grande arco (figura 1).

De todos os padrões, a fratura-luxação do carpo mais comum é a trans-escafo perilunar (ou perissemilunar). Apesar de ser raro, pode haver lesão do ligamento escafolunar mesmo quando há fratura do escafoide. O fragmento proximal do escafoide se mantém atrelado ao semilunar, mesmo nos casos de luxação palmar (ou volar) deste osso, mas, em 3,8% dos casos, há ruptura concomitante do ligamento entre estes ossos. O capitato está acometido em 8% dos pacientes.

Fratura-luxação do carpo - imagem 2

Figura 2

Mayfield descreveu os graus desta luxação(figura 2):

I. Lesão do ligamento escafolunar

II. Luxação semilunocapitato

III. Lesão do ligamento semilunopiramidal

IV. Lesão dos ligamentos rádio-carpais volares e luxação volar, pelo espaço de Poirier, do semilunar. 

Esta luxação palmar do semilunar pode ser dividida em 3 graus: 

1 rotação do semilunar de até 90 graus

2 rotação do semilunar acima de 90 graus

3 luxação do semilunar para dentro do túnel do carpo

Fratura-luxação do carpo - imagem 3

Figura 3

Quando há uma fratura da cabeça do capitato, que roda 180 graus, acontece a síndrome escafo-capitato ou de Fenton (figura 3). A falha em reconhecer esta rotação da cabeça do grande osso leva à artrose a alteração biomecânica grave do punho. 

No pronto-socorro, este paciente dever ser submetido à radiografias: AP do punho (onde se deve procurar pelos arcos de Gilula- figura 4), perfil do punho, perfil (avaliar ângulo escafolunar e alinhamento do rádio com os ossos do carpo), AP com desvio ulnar (lig. Escafolunar) oblíqua semipronada com 20 graus de extensão (frente do escafoide). 

Como toda luxação, esta é uma urgência ortopédica e quanto mais tempo a articulação passar incongruente, pior serão as sequelas neste punho. 

Se possível, deve-se realizar a redução incruenta no PS, com o máximo de alívio da dor, antes do reparo ligamentar e fixação dos ossos do carpo. 

O ligamento escafolunar deve ser reparado, assim como a fratura do escafoide deve ser reduzida e operada o quanto antes, já que são peças chaves para o funcionamento do punho. As fraturas do escafoide têm uma chance um pouco maior de pseudartrose quando operadas em conjunto com as luxações perilunares.

Tempo prolongado para se reduzir a luxação e realizar a cirurgia definitiva são fatores de mau prognósitco, assim como lesões abertas, pacientes idosos, pacientes com doenças crônicas, …

O tratamento com fios de Kirschner deve ser mantido por 6-8 semanas quando se programa de retirar os fios metálicos. A fratura do escafoide deve manter os fios até a consolidação. Se foi optado por se utilizar um parafuso no escafoide, devemos mantê-lo até a consolidação ou “ad eternum” caso não incomode o paciente. 

A reabilitação deve-se iniciar o mais precocemente possível. Entretanto, não é raro observarmos pacientes com radiografias adequadas, ao final do tratamento, que mantêm rigidez no punho. 

Fratura-luxação do carpo - imagem 4

Figura 4

O tratamento precoce por Cirurgião da Mão experiente neste tipo de lesão é mandatório para obtermos boa mobilidade e força do punho e dedos após a cicatrização e reabilitação das fraturas-luxação do carpo.

Dr. Diego Figueira Falcochio

Ortopedista especialista em mão e microcirurgia

CRM 122.897 TEOT 11.487

Leia também

Reimplantes

Reimplantes

Apesar de o primeiro macro-reimplante ter sido realizado em 1962 (um reimplante ao nível do braço realizado por Malt e McKhann) e o primeiro reimplante de dedo (um polegar reimplantado por Komatsu e Tamai) ter corrido em 1965, reimplantar as mais diversas partes do corpo continua sendo um desafio enorme para os cirurgiões. Nosso objetivo é conseguir resultados funcionais e estéticos cada vez melhores.

ler mais
Lesões do nervo mediano

Lesões do nervo mediano

O nervo mediano é ramo das cordas lateral e medial do plexo braquial. Formado com fibras sensitivas, predominantemente, vindas de C6 e motoras de C8.
Ele inerva os músculos flexores extrínsecos (que começam fora e terminam dentro da mão), a exceção dos flexores ulnar do carpo e profundo para os dedos anelar e mínimo. Além disso, inerva parte musculatura intrínseca da mão (músculos que se originam e se inserem dentro da mão): a musculatura que realiza a oponência entre o polegar e os dedos longos (abdutor curto, oponente e uma das cabeças do flexor curto do polegar) e os músculos lumbricais para os dedos indicador e médio.

ler mais
Lesões do nervo ulnar

Lesões do nervo ulnar

O nervo ulnar é ramo da corda medial do plexo braquial. Formado com fibras predominantemente vindas de C8 e T1.
Ele inerva os flexores ulnar do carpo e profundo para os dedos anelar e mínimo, além da musculatura intrínseca da mão (músculos que se originam e se inserem dentro da mão).

ler mais

Pin It on Pinterest