Camptodactilia

por | 11/02/2021 | Deformidades Congênitas

A camptodactilia é a deformidade do dedo no plano sagital (perfil), na interfalângica proximal (IFP), articulação “do meio do dedo”, que impede a extensão completa (que o dedo “estique” completamente).

camptodactiliaAngulações pequenas no dedo mínimo são as mais comuns. Os pacientes podem nascer com esta deformidade ou a desenvolver durante a infância ou adolescência. Nos picos de crescimento, é comum que ocorra piora da perda de extensão.

A deformidade é bilateral em mais de 2/3 dos casos. Tem transmissão familiar e pode ser considerada um tipo de artrogripose distal. A transmissão genética ocorre por herança autossômica dominante, com penetrância incompleta.

Quando envolve múltiplos dedos, pode atrapalhar bastante a função da mão, que perde capacidade de abrir e pegar objetos maiores.
Pede-se para que os pais mexam com os dedos do recém-nascido até que a criança tenha tamanho suficiente para a confecção de órteses, apesar de não se saber a real eficácia deste tratamento.

As radiografias são normais para recém-nascidos e pré-escolares. Em crianças maiores, pode haver deformidade articular da interfalângica proximal. Há chance de conseguirmos reverter esta deformidade em crianças pequenas, mas, não em adolescentes.

Alguma vezes, quando o déficit de extensão causa perda de função da mão, está indicado o tratamento cirúrgico.

A cirurgia envolve a abertura do pterígio (a pele que faz uma corda na região palmar) e liberação de estruturas na interfalângica proximal, como o ligamento em rédea (checkrain), ligamentos colaterais acessórios e, em casos raros, do flexor superficial dos dedos e osteotomias de extensão da falange proximal.

A idade da cirurgia deve ser postergada ao máximo.

Pode haver necessidade de artrodese das IFPs quando se atingir o crescimento completo ou estiver perto disto.

O resultado do tratamento cirúrgico é imprevisível apesar de haver uma predominância de bons resultados na literatura.

A principal complicação é a rigidez do dedo.

Pacientes com esta alteração devem procurar avaliação e manter acompanhamento com um cirurgião da mão, para que obtenham o melhor resultado possível.

Dr. Diego Figueira Falcochio

Ortopedista especialista em mão e microcirurgia

CRM 122.897 TEOT 11.487

Leia também

Pseudartrose do Escafóide

Pseudartrose do Escafóide

A pseudartrose é a ausência de consolidação de uma fratura.
Como descrito no artigo sobre Fratura do Escafóide, neste site, a pseudartrose do escafóide é a complicação mais comum e temida para as fraturas deste osso. Identificamos como pseudartrose uma fratura que não consolida após 6 meses do trauma que a ocasionou.

ler mais
Reimplantes

Reimplantes

Apesar de o primeiro macro-reimplante ter sido realizado em 1962 (um reimplante ao nível do braço realizado por Malt e McKhann) e o primeiro reimplante de dedo (um polegar reimplantado por Komatsu e Tamai) ter corrido em 1965, reimplantar as mais diversas partes do corpo continua sendo um desafio enorme para os cirurgiões. Nosso objetivo é conseguir resultados funcionais e estéticos cada vez melhores.

ler mais

Pin It on Pinterest